Entrevista para a Wonderland Magazine

Para a edição de Fevereiro/Março da revista Wonderland Magazine Emma foi entrevistada pelo seu amigo Derek Blasberg. Em baixo podem ler um excerto da conversa entre ambos.

DEREK BLASBERG: A minha mãe é a primeira pessoa a dizer que eu sempre quis ter um irmãozinho ou irmãzinha . Eu era o mais novo de toda a minha família, e eu sempre senti que não era útil à humanidade que não havia alguém atrás de mim para que eu pudesse dissipar as minhas pérolas de sabedoria . Assim, quando Emma Watson – então uma sorridente, doce adolescente, super inteligente – e eu tornámos-nos amigos, eu senti que as minhas orações de infância tinham sido respondidas. Havia apenas uma diferença marcante: Emma , sábia para além dos seus anos , já sabia mais do que eu sobre quase tudo e não precisava de qualquer conselho. Emma é uma dessas raças raras de pessoas que têm uma intuição, uma boa cabeça sobre os seus ombros, um julgamento rápido. Eu não posso ter a certeza de que, como irmão mais velho adoptado, ela não aprendeu nada disso comigo, mas vou dizer que ela me ensinou uma coisa ou duas. Ela é concisa, tem as ideias no sítio, organizada, franca e confiável. (Não são os tipos de adjetivos que se aplicam à maioria das crianças atores.) Quando eu ia visitá-la no set de Harry Potter, os seus vestiários estariam arrumados (mais ou menos) e os seus livros bem usados ​​e marcados estariam empilhados em todos os lugares. Ela navegou a pressão de filmar a saga cinematográfica mais bem sucedida do mundo, com elegância e graça , e ela não se esqueceu de fazer as pequenas coisas, como enviar postais engraçados de férias e cestas de frutas nos feriados. Depois de Potter, eu vi-a crescer numa bela jovem que está explorando uma carreira que é inteiramente sua. Tem sido uma transição interessante: Como ela mesma diz, ela sentiu que era um adulto mesmo quando estava no corpo de uma menina acenando com uma varinha mágica. Agora, é como se ela se apegou consigo mesma. No filme Perks of Being a Wallflower, ela de forma encantadora capturou o fim de uma inocência Americana. No próximo Noah, ela aborda o papel de uma nora-bíblica numa aventura épica. Observem: Emma, uma mulher minuciosamente moderna .

DEREK BLASBERG: Onde estás agora e o que estás a fazer?
EMMA WATSON: Agora estou de férias. Estava na varanda do meu quarto de hotel e eu estou a coçar os meus pés porque eu fui comida viva por mosquitos. Parece que tenho uma doença. Dizem-me que tenho sangue doce.

D: Bem, eu estou a congelar, em Nova York, então não vais ter muita simpatia de mosquito de mim.
E: Bem, eu sinto falta de Nova York. Eu adorava viver lá.

D: Tu estavas em Nova York durante o furacão Sandy. O quanto surreal foi isso?
E: Foi surreal por um par de razões. Ele atrasou o fim das nossas filmagens algumas semanas, por isso temos a ironia de filmar um filme bíblico épico sobre uma inundação, e de seguida, uma tempestade vem e inunda bastante Nova York. Ele ainda danificou a arca, que era o que nos trás. A outra razão pela qual foi surreal foi porque tu e eu estávamos em Upper East Side, que era completamente imperturbável pela tempestade. Tivemos Internet de alta velocidade e os nossos telefones. Todas as lojas estavam abertas e, ainda mais estranho, as pessoas estavam às compras nas mesmas. O Carlyle Hotel estava cheio de pessoas a pedir bebidas. Lembro-me de te ligar e perguntar: “Não há algo que possamos fazer eu sinto-me como um desperdício de espaço?” E tu levaste-me a uma entrega de refeições com Citymeals on Wheels. Era incrível que podíamos fazer isso. Lembras-te da Pearl?

D: Como é que eu poderia esquecer Pearl?
E: Ela era a alegre mulher de 90 anos que estava a ouvir discos de Elvis Prestley quando batemos à porta e entregámos-lhe a comida. Pearl foi uma querida.

D: Estiveste alguma vez com medo durante a tempestade?
E: Eu não me lembro de levá-la muito a sério, e depois o meu pai ligou e disse que eu devia encher a banheira com água. E eu disse: “Por que é que eu faria isso?” Ele disse para por nas notícias e então eu percebi que ia ser uma coisa séria em algumas áreas. Quando eu apareci na Brown eles avisaram-me que ia ficar frio, e eu disse, “Eu sou da Inglaterra. Eu sei o que é frio.” Mas logo aprendi que não, eu não sabia o que era frio. O meu primeiro semestre na Brown [em Providence, Rhode Island], quando chegou às temperaturas negativas, eu só não queria deixar o meu quarto do dormitório. Eu não queria ir a nenhum sítio. Eu só saía para obter suplementos. O frio torna-me miserável!

D: Por falar em Brown, estou muito orgulhoso de seres uma oficial pós-graduada de Ivy League em breve.
E: Sim! Eu vou me formar em Maio, o que eu não posso acreditar. Eu não posso. Eu simplesmente não posso! Muito emocionante.

D: Então, diz-me: O que planeias fazer com o grau superior?
E: Pergunta difícil … Eu tenho me sentido muito realizada com meus estudos. Inglês ajudou-me a pensar de forma analítica. Ajudou-me a ver o mundo a partir de novas perspectivas. Mergulhar nessas histórias e personagens deu-me riqueza para a minha própria vida. E agora, quando leio os scripts ou olho para as histórias, eu tenho estas referências para uma maior compreensão da humanidade. Tenho a certeza de que vai tornar o meu trabalho como atriz mais interessante.

D: Eu visitei-te no set de Harry Potter algumas vezes, e era como uma pequena família e todos se conheciam.
E: Foi. Eu sinto falta das pessoas também. Eu sinto falta da familiaridade.

D: E ir para um lugar novo, uma nova escola, com novos amigos – não deve ter sido fácil, certo?
E: Eu realmente queria uma experiência nova. Eu amava não conhecer ninguém. Era muito emocionante, e eu senti como se estivesse a arriscar por mim própria de um modo muito real, muito novo. Mas há uma coisa chamada a queda do segundo ano, que é um fenómeno que é aparentemente conhecido e reconhecido, embora eu nunca tinha ouvido falar disso. Isso pegou-me de surpresa. No primeiro ano na universidade, tudo é novo e excitante. Tu não percebes que não tens a tua estrutura de apoio, os confortos de casa , e todas aquelas rochas que te ajudam a manter-te na linha. De seguida, após o primeiro ano, quando a adrenalina desaparece, encontras-te numa queda. Isso foi o que me aconteceu no final do meu terceiro semestre. Eu senti-me muito insegura e perdida.

D: A minha mãe sempre me disse que nas lutas encontramos força.
E: Ela está certa. Agora eu sei realmente como cuidar de mim mesma, como estar sozinha, como lidar com o stress. Se eu não tivesse passado por esse tempo, eu não teria chegado lá. Eu nunca soube que tinha limites. Tu fazes bons amigos e fazes maus amigos, e tu tens de descobrir tudo. Tu percebes que não podes fazer tudo. Eu realmente pensava que conseguia fazer isso tudo – viajar de volta para o Reino Unido para filmar Potter e imprensa, de seguida, ir para Brown para os exames finais e manter contacto com os meus amigos e família. Tu não consegues fazer pelo caminho. Tu tens que fazer pausas. Foi assim como eu me interessei em meditação e yoga. Eu desenvolvi rituais para a hora de dormir.

D: Como o quê?
E: Tu vais te rir, mas agora todas as noites antes de eu ir para a cama eu faço uma garrafa de água quente. É um ritual que me faz sentir como se eu estivesse a tomar conta de mim, e isso é importante.

D: Aprender a estar sozinho é uma boa lição, e uma que acho que muitas atrizes não aprendem.
E: Eu percebi isso. Quando estás num set de filmagem tu estás a ser vigiado e nunca estás sozinho e há todas essas exigências no teu tempo. Todo a gente sabe onde tu estás a cada momento do dia. Então, eu fui para Brown e de repente eu estava sozinha. No início eu odiava. Agora, eu estou feliz por estar sozinha. Eu consigo estar calma e ser produtiva e conteúdo, estar sozinha no meu apartamento.

D: Agora, sê honesta : Alguma vez já quiseste sair da linha? Como, ficar bêbada e fazer uma tatuagem?
E: Ah , eu amo tatuagens. Mas eu amo-as noutras pessoas. Na verdade , eu tenho uma conta no Pinterest e todo um quadro de tatuagens que eu gosto – mas eu nunca iria querer uma para mim. Eu não acho que eu conseguiria fazê-la ficar bem. A minha própria auto-imagem não permitiria isso .

D: Mas tu não és tão puritana como isso, Emma.
E : Eu sinto que me têm dado muito crédito, onde não é devido, que eu não gosto de festejar. A verdade é que eu sou genuinamente tímida, socialmente desajeitada, uma pessoa introvertida. Numa grande festa, eu sou como o Bambie nos holofotes. É muito estímulo para mim, é por isso que eu acabo por ir para a casa-de-banho! Preciso de pausas! Tu já me viste em festas, Derek. Fico ansiosa. Eu sou terrível na conversa fiada e tenho uma ridiculamente curta atenção.

D: Isso, eu já tenho notado. É parte disso porque tu te tornaste esta grande figura pública?
E: Provavelmente. Eu sinto uma pressão quando estou a conhecer pessoas novas porque eu estou ciente das suas expectativas. Isso faz com que a socialização seja difícil. O que não quer dizer que quando eu estou num pequeno grupo e junto dos meus amigos, eu não goste de dançar e ser extrovertida. Eu sou apenas extremamente auto-consciente em público.

D: No mesmo assunto, eu gostaria de pedir desculpas formalmente por ter ficado tão chocado quando tu cortaste todo o teu cabelo.
E: Porquê? Eu amei que tu tenhas sido das primeiras pessoas a vê-lo. Eu amei a tua reação. Tu estavas completamente chocado. Foi uma reação apropriada para um irmão mais velho.

D: Tu pegaste-me desprevenido. Foi tão inesperado.
E: Não foi inesperado para mim. Eu tinha estado a elaborar isso na minha mente durante anos. Assim, quando chegou a hora, eu fui em frente e fiz isso.

D: Alguma vez já pensaste na psicologia por trás disso? Tipo, tu fizeste isso porque tinhas acabado com Harry Potter e querias criar uma nova imagem? Como Jennifer Lawrence e The Hunger Games?
E: Eu acho que Jennifer Lawrence precisava de cortar o dela. Mas eu vejo o paralelo que estás a tentar fazer. Talvez Miley Cyrus seja um exemplo melhor?

D: Ah! Exatamente.
E: A minha mãe sempre teve o cabelo muito curto, sempre teve-o curtinho. Então para mim, não era tão louco como para ti. Para ser honesta, eu senti-me mais eu mesma com esse corte de cabelo. Senti-me ousada, e isso fez-me sentir capaz porque foi a minha escolha. Era sexy também. Talvez fosse o pescoço nu, mas por alguma razão eu senti-me super, super sexy.

D: Então, um dia vais cortá-lo de novo?
E: De certeza. Eu sinto tanta falta. No minuto em que ficar grávida, a primeira coisa que vou fazer é cortar o meu cabelo, porque eu sei que não vou trabalhar por um tempo. Se eu não fosse atriz, eu iria mantê-lo assim. Eu podia lavá-lo no lavatório e sacudi-lo como um cão. É tão baixa manutenção!!

D: Vamos continuar a discutir aparências. A moda tem sido qualquer tipo de satisfação para ti?
E: Eu amo a moda como uma coisa. E eu ainda a sigo muito e acho-a interessante e quando me deparo com algo realmente grande eu fico animada e inspirada. Mas houve um momento em que eu dei um passo de distância da moda.

D: Uma vez eu me sentei ao lado de Gwen Stefani num evento de moda, e ela disse-me que muitas vezes ela sente-se como se estivesse num cenário do Saturday Night Live nessas coisas.
E: Eu também acho que é um pouco surreal. Lembro-me da minha primeira semana da moda de Paris, e a insanidade e histeria que foi. Só para entrar num desfile de moda? É mais intenso do que a estreia de um filme. Às vezes as pessoas perguntam-me porque é que eu não vou a mais shows, mas para ser honesta eu prefiro ver na internet. A moda é esta enorme, enorme indústria onde eu gosto de mergulhar meus dedos. Mas não é o meu sector .

D: Isso é verdade. Cinema é . Lembras-te do dia em que tu e eu fomos ver a retrospectiva de Francis Bacon no Tate, e eu disse-te que eu conseguia ver-te a ser uma produtora ou diretora um dia? E tu olhaste para mim como se eu tivesse dez cabeças .
E: Sim! As pessoas dizem-me muito isso agora. Talvez um dia eu faça.

D: Ainda estás à procura de algo mais que gostes de fazer?
E: Lembraste daquela vez que eu te liguei e perguntei se conhecias alguém que precisava de um estagiário? E tu quase morreste a rir?

D: Sim. Tu perguntaste se eu conhecia alguém que queria que eu fosse um assistente pessoal por uma semana.
E: Eu estava a falar a sério! Eu estou interessada em tudo! Este ano eu vou fazer 24. Muitos dos meus amigos estão realmente preocupados com fazer os 24, mas eu gosto de estar a ficar mais velha. De certa forma, eu comecei como esta velha senhora, e agora eu sinto que a minha idade está a aproximar-se de mim. E eu estou animada com todas estas coisas novas para eu fazer. Eu sinto que tenho muito mais a realizar como atriz. Eu adoraria tentar teatro e isso é uma coisa totalmente diferente. Mas quando eu terminar o meu curso, eu vou ter muito mais tempo para procurar outras paixões, e eu quero descobrir quais serão. Eu adoro ter algo completamente alheio à indústria cinematográfica. Eu quero encontrar algo que me vai deixar usar o cérebro de outra maneira. Eu gosto de conectar pessoas que também não fazem parte desse mundo.

D: Eu vi os teus quadros, eles são fantásticos.
E: Eu amo pintura. Talvez eu entre nisso e faça mais aulas de arte? Ou talvez algo diferente.

D: Bem, eu sei que és boa no yoga.

E: Então, aí tens. Eu posso ser atriz a tempo integral e uma professora pessoal de yoga a tempo parcial?

D: Ah! Bem. Vamos ver.

7/Fev/2014 Mariana Lopes 0 comentários

Entrevistas,

Leave a Reply