Entrevista de Emma para a Revista Porter

Emma é capa da revista Porter Magazine da edição de Inverno e foi entrevistada pela mesma, neste Emma falou sobre as suas prioridades de estilo, moda como uma questão feminista e por quê agora, apenas aos 25 anos, ela está a sentir-se confortável na sua própria pele. Leiam a entrevista abaixo:

“[Tenho] passado mais de metade da minha vida a fingir ser outra pessoa. Enquanto os meus contemporâneos estavam a pintar o seu cabelo e descobrir quem eles eram, eu estava a tentar descobrir quem Hermione era e qual a melhor forma de retratá-la.”

“Agora aos 25, pela primeira vez na minha vida eu sinto que tenho um senso de ser, com que eu estou confortável. Na verdade, eu tenho coisas que quero dizer e quero ser o meu eu mais autêntico.”

“Eu não quero que haja uma grande separação entre o público e o particular. É definitivamente o caminho mais difícil de andar, mas sem dúvida, em última análise, o mais gratificante.”

“Parece uma coisa ridícula de dizer, mas estou muito interessada na verdade, em encontrar maneiras de ser confusa e insegura e falhada e incrível e ótima e o meu ser máximo, tudo embrulhado num. Quando assistes o trabalho de alguém como a atriz Emma Thompson, sentes como se estivesses a ver algo verdadeiro, e eu aspiro a isso. ”

Admitindo que a sua auto-aceitação recém-descoberta tem muito a ver com a recente revelação de estilo, Watson revelou que a sua principal prioridade é como as roupas a fazem sentir, ao contrário de como ela fica.

“Quando eu era mais nova eu lembro-me que me disseram ‘nenhuma dor, nenhum ganho”, mas recentemente a minha vontade de usar algo que me faz ter frio ou que eu não posso andar, mudou. ”

“Eu quero sentir-me fabulosa e confortável e sexy, forte e bonita. E se te está a fazer sentir desconfortável, não faças-o. É tão triste, se tu precisas de ir para casa só porque precisas de te sentar! Avançando, eu estou a priorizar apenas sentir-se incrível. ”

E com o mundo ainda deleitando-se com o seu discurso HeForShe um ano depois, o embaixador da ONU Mulheres Goodwill deve estar a sentir exatamente isso.

Mas apesar do seu sucesso internacional, Watson revelou que ela foi contra o conselho, ao escrever o discurso.

“Senti-me encorajada a não usar a palavra” feminismo “porque as pessoas sentiram que era alienar e separar e toda a ideia do discurso foi a de incluir tantas pessoas quanto possível.”

“Mas eu pensei muito e duro e, finalmente, senti que era apenas a coisa certa a fazer. Se as mulheres estão aterrorizadas de usar a palavra, como é suposto os homens começarem a usá-la?”

A estrela passou a revelar o vínculo importante entre a sua campanha para as mulheres e o seu amor pela moda.

“Acho que usar a moda como um meio de expressão é brilhante.”

“Uma das maneiras que eu me tornei uma embaixadora da  ONU Women Goodwill  foi através do meu interesse na moda de comércio justa. Porque tantas mulheres desenham e fazem as roupas que vestimos, é principalmente as condições de trabalho das mulheres que são afetadas pelas decisões que tomamos, a moda é uma questão feminista”.

Emma Watson é apresentada como uma dos sete “modelos globais” na primeira lista 100 Incredible Women da Porter de sempre- patrocinado pela Elizabeth Arden – que celebra as mulheres em todo o mundo que tiveram um impacto sobre as nossas vidas e nos fizeram pensar de forma diferente nos últimos 12 meses.

Poderão ler a entrevista completa quando a revista estiver nas bancas, a partir de 4 de Dezembro.

1/Dez/2015 Mariana Lopes 1 comentário

Entrevistas, Revistas,

Um comentário a “Entrevista de Emma para a Revista Porter”

  1. Olá, esta pensando em inovar o design de seu fansite? Eu te convido a conhecer war417! Temas para wordpress a partir de 18€. Que tal conferir nosso website? War417.com (inglês) ou br.war417.com (português) ?

Leave a Reply